Museu Municipal

O Lagar de Varas de Parada

O Lagar de Varas de Parada constitui, de entre dezenas de exemplares, localizados pelo território do concelho, uma das mais singulares unidades lagareiras datável de finais do Século XIX.
 
A sua musealização insere-se num vasto conjunto de iniciativas culturais que o Município de Carregal do Sal tem vindo a implementar ao longo dos últimos anos, tendo em vista a valorização, promoção e salvaguarda dos seus recursos patrimoniais, como forma de reforçar a sua identidade própria e o desenvolvimento social e turístico-cultural de todo o concelho.
 
A este projecto não podia deixar de estar incondicionalmente ligado o Museu Municipal Manuel Soares de Albergaria que, no âmbito da sua actividade de investigação e estudo da história local, assim como no quadro das suas funções museológicas, procurou, com o apoio e participação activa dos recursos humanos e materiais da Divisão de Obras Municipais, recuperar e reconstituir mais um testemunho histórico-arqueológico do seu passado recente tornando-o num núcleo museológico de interesse cultural e pedagógico e de fruição patrimonial para os diversos públicos.
 
À luz desse passado memorial, alguns destes lagares perduraram no concelho ao longo das suas Ribeiras, Rio Dão e Mondego, desde a Idade Média até aos nossos dias, dos quais ainda não foi possível efectuar o seu total levantamento. Por sua vez, a desactivação destes, desde meados do passado século, está directamente relacionada com a introdução de inovações tecnológicas porquanto, aqueles, estavam na sua maioria, associados a processos artesanais e à força motriz da água e a tracção animal, como o foi o caso presente do Lagar de Varas de Parada.
 
Neste contexto, pretendeu-se que a recuperação e preservação desta unidade lagareira, prevalecesse como um testemunho representativo da actividade ligada à produção do azeite, bem como da importância que este sector de actividade teve para a economia local aos longo dos tempos, a que não pode deixar de estar interligado outro dos testemunhos desse passado, como o foi a Casa da Tulha, localizada junto ao Mondego onde, muitos dos produtores eram, certamente, obrigados a entregar os dízimos das olivas, ou seja, a entrega da azeitona, que era uma das principais fontes de rendimento agrícola dos senhores da terra.
 
Com efeito, o processo de limpeza e reconstituição do Lagar de Varas de Parada, permitiu colocar em evidência uma actividade de gerações que, até meados do passado século deram sentido e vida a todo aquele espaço físico.
 
Trata-se, pois, de um lagar desenvolvido em dois níveis de patamares: o primeiro corresponde aos pios, sendo o da direita mais primitivo por conter vasilhame cerâmico daquela época, e o da esquerda, mais recente, constituído em granito. O segundo patamar corresponde à zona dos pratos e das prensas e áreas de acesso contíguos aos pios.
 
A norte e ligeiramente ao centro da sala conservam-se as mós em pedra ou galga, destinada ao esmagamento da azeitona que, tudo indica, ter sido movida por tracção animal. Na falta de estruturas ou vestígios encontrados, daqui a polpa, passaria, por processos manuais, para as prensas das duas varas existentes. O azeite e a água que das seiras escorria seguiam pela caldeira ali existente em direcção aos pios, dando-se depois a decantação do azeite.
 
Por outro lado, foi detectada a estrutura onde assentava a caldeira de fornalha para aquecimento das águas destinadas à azeitona, à polpa e ao azeite.
 
Finalmente, constatou-se que se tratava de um lagar de duas prensas de vara, sendo interessante verificar que este tipo de lagares mantiveram as suas varas até há bem poucos anos. Por sua vez, o chão apresentava-se em terra batida, fazendo crer que todas as pedras do pavimento dali foram retiradas, com excepção do patamar superior que manteve vestígios da estrutura original e acrescentos mais tardios de cimento.
 
Por último, esperamos que a concretização deste projecto de musealização do Lagar de Varas de Parada seja um importante factor de dinamização e de fruição turístico-cultural para os diversos públicos e sirva de modelo à prossecução de outras iniciativas tendo em vista o aproveitamento e promoção dos recursos patrimoniais existentes no concelho.

Data de Publicação: 12/11/2013

Exposições Permanentes

Exposições Temporárias

AMAR'te no Feminino AMAR'te no Feminino

A exposição “AMAR´te no Feminino” que se encontra no Museu Manuel Soares de Albergaria, a partir de 8 de março, dia em que se...

Circuitos Arqueológicos

Atividades Culturais

CONVITE CONVITE

10.º Aniversário do Museu Municipal Manuel Soares de Albergaria

Visitas Guiadas

Dados Estatísticos